7 de out de 2014

Macarrão na Pressão



Existem no planeta mais de mil tipos diferentes de macarrão. A massa fresca e a massa seca. A massa longa e a massa curta. A massa plena e a massa furada. A massa lisa e a massa rajada. A massa simples e a massa recheada - de mil modos diferentes, também. Cada qual tem seu nome de batismo e sua maneira peculiar de ser feita. Cada qual pode ganhar a proteção sagrada de infinitos molhos e inumeráveis companhias. E, no entanto, só um deles é efetivamente o macarrão.
Tudo depende da região de nascimento e produção, das minúcias do desenho e do formato, da fidelidade à tradição. Na Itália, pátria-mãe da nobre pasta, cada indústria ostenta o seu catálogo, a sua própria nomenclatura. Lasange, alisanzas e lagane, por exemplo, não passam de apelidos diversos para as mesmíssimas placas de farinha amalgamada que se sobrepõe em largas séries intercaladas por recheios mais ou menos suculentos, da carne embebida em sugo de tomates a meras camadas de creme e queijo parmesão Agnillini, agnolini, marubini e angiolottus não passam de apodos localizados para os agnolotti tão em moda hoje em dia no Brasil—gordos pasteizinhos de patês ou ricotas condimentados com ervas, frutas frescas, frutas secas e até licores. As penne do Norte são os maltagliati do Sul. Os ravioli de Bolonha são os casonsei de Bergamo, os gobbein de Torino, os culurzones da Sardenha. Só na província da Puglia, as domésticas orecchiette são denominadas orecchino, recchietelle, recchie ou ricchielle, oricchia di prete ou oricchia di judeu — orelhinhas, orelhas-de-padre ou orelhas-de-judeu.
Pior ou mais engraçado: com a mesma alcunha de rigatoni se indicam as maniche di frate, as mezze manichine, os chifferoni, os bucatini e os perciatelli, massas de aspecto cilíndrico, vazadas no miolo e estriadas na superfície exterior, precisamente aquelas que o rigor histórico prefere batizar, com exclusividade, de maccheroni. Acabou? Jamais. Maccheroni, os macarrões, são as denominações que recebem, na Itália central, as tugliatelle da Emilia-Romagna, as fettuccine do Lazio, as trenette da Liguria, as tagghiarine da ilha da Sicília.
Formidável, superinteressante confusão. De onde ela provém? Antes de detalhar a evolução do macarrão, é necessário conhecer um pouco da aventura antológica de sua matriz essencial, o trigo. Trata-se, sumariamente, do alimento mais universal de todos. Os cereais, em geral, são responsáveis por 80 por cento de todas as calorias consumidas pela humanidade. Quase metade delas corresponde ao trigo, que ocupa nada menos que 215 das terras agricultáveis destinadas aos grãos. Semente de uma planta da família das gramíneas, segundo o botânico soviético Nikolai I. Vazilov, há no globo mais de 30 mil variedades de trigo.

Um comentário:

  1. Oi Solzinha!
    Menina, como uma boa descendente de italiano, eu adoro macarrão, principalmente a massa caseira, mas... hoje em dia... onde conseguimos tempo pra fazer né? Sempre que vejo em algum filme, fico babando... época boa!
    Gosto de todos os tipos de massa e adoro fazer molhos com legumes, já que não como carne.

    Um lindo dia pra vc, abração.

    ResponderExcluir

♥♥♥♥♥Tenha uma vida abençoada !!!♥♥♥♥♥
-----------/♥♥♥♥♥♥♥\-----Amizade--(-♥-(-\♥/-)-♥-)
---------/♥♥♥♥♥♥♥♥♥ \----------------------(--♥-\/-♥-)
-------/♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥\-----Saúde------||-----
----@--l---D----------D---l---@----- ---------||
--\\l//l_____l__l_____l-\\l//-\\l//- ╠╬╬╬╬╬╬╬╬╬╣
================================
Obrigada por sua visita!
Para que eu retribua seu comentário, favor deixar o link do seu Blog. Para troca de seguidores, deixe seu nome de seguidor do Blog e o link. Para troca de comentários, deixe o link do post que quer que eu comente. Sua presença enriquece meu Blog. Sua companhia alegra minha alma. Sinta-se Abraçado(a)! Volte sempre!
================================